Monica Freitas

71 3330-6100

quarta-feira, 08.07.2015

Como você pode suspeitar que é portador de Ceratocone

Publicador por karine

Como você pode suspeitar que é portador de Ceratocone:
Se você tem abaixo de 25 anos e percebe aumento progressivo do grau de astigmatismo nas consultas anuais, associado à piora da qualidade da visão com os óculos, desconfie da possibilidade de ser um portador de Ceratocone. Além disso, são sintomas comuns, a coceira frequente nos olhos, a visualização de imagens desfocadas, múltiplas e borradas, tanto na visão de longe, como na de perto. Outros sintomas incluem a visualização de halos em torno das luzes e o aumento da sensibilidade à luminosidade.
Os que possuem familiares portadores de Ceratocone e observam aumento progressivo do astigmatismo na sua receita dos óculos e/ou perda da qualidade da visão com os óculos, devem ficar atentos. Converse com o seu oftalmologista, pois somente ele poderá fazer o diagnóstico. É importante ressaltar que mais da metade dos portadores de Ceratocone convivem bem com a doença e mantem uma boa visão com os óculos de grau adequados e/ou com as lentes de contato. Além disso, existe atualmente, tratamento para todos os casos e as chances de controle dos sintomas são maiores quando o tratamento é iniciado precocemente.
Atenção: desconfie das informações leigas contidas em muitos dos textos acessíveis pela internet, pois a desinformação pode gerar medos desnecessários, ou retardar a procura de auxílio oftalmológico especializado com base em falsas informações e tabus.

Como o seu oftalmologista faz o diagnóstico do Ceratocone:
São muitos os recursos existentes na Oftalmologia contemporânea que permitem o diagnóstico desta alteração corneana. Os especialistas contam com equipamentos modernos que utilizam tecnologia de ponta para identificação precoce do Ceratocone. Os casos mais avançados podem ser diagnosticados pelo oftalmologista especialista durante a própria consulta, devido a uma série de alterações corneanas que costumam estar presentes e são visíveis ao exame de biomicroscopia. Em todos os casos, é fundamental que além do diagnóstico seja avaliado o estágio evolutivo, a localização e extensão do cone, para acompanhar comparativamente e nortear o melhor tratamento para cada caso. Conheça os principais recursos existentes para identificação precoce desta patologia: Topografia Corneana, Pentacan, ORA e Microscopia.

Esta patologia ocular pode afetar severamente a nossa forma de perceber o mundo, incluindo desde tarefas simples como dirigir ou assistir TV. Nos casos de ceratocone, o exame oftalmológico deve ser realizado semestralmente, por oftalmologista especializado, para que seja feito o monitoramento da evolução e escolha do melhor tratamento.

tags , , , , ,

quarta-feira, 10.06.2015

Bate papo com Dra. Mônica sobre Lente de Contato

Publicador por karine

Lentes de contato:
Podem representar uma alternativa excelente ao uso de óculos, tanto para os portadores de miopia, como hipermetropias ou de astigmatismo.
É importante mencionarmos que dispomos atualmente de diversos tipos de lentes, variando desde o material de que são feitas, até mesmo a cor, o número de horas de uso recomendado o fabricante etc. Existem as lentes de material rígido, feitas de acrílico, silicone ou o fluorcarbono e as lentes gelatinosas, que são as mais bem aceitas por serem mais confortáveis no olho do usuário. Dentre os diversos tipos de lentes gelatinosas podemos mencionar as de uso descartável –em geral de descarte mensal- e as gelatinosas de uso anual, coloridas ou não, com ou sem grau, de diversos fabricantes diferentes.
As lentes costumam funcionar muito bem, proporcionando uma boa visão, representando para alguns, uma boa alternativa aos óculos, por não interferirem na estética facial, sendo também uma boa opção à pratica esportiva, todavia é fundamental que a escolha da lente adequada para cada caso seja feita por oftalmologista especialista e que cuidados sejam observados quanto à limpeza, conservação, substituição e modo de uso das lentes, de acordo com as características de cada uma delas. Vale lembrar que o uso de lentes de forma incorreta, sem observação dos cuidados recomendados pode ocasionar uma série de problemas corneanos, como ceratites, úlceras, ressecamento ocular, irritação ocular, conjuntivites e outros.
Algumas recomendações que devem ser seguidas e que geram dúvidas frequentes.

1. As lentes para uso diário podem ser utilizadas para dormir?
R- Não. Devido à menor permeabilidade ao oxigênio (parâmetro conhecido como Dk), estas lentes são indicadas para uso durante o período em que estamos acordados. Quando dormimos ocorre uma elevação da temperatura corneana e a ausência do ato de piscar faz com que seja necessário estar sem as lentes para uma boa nutrição e lubrificação da córnea.

2.A higiene diária recomendada para uma lente gelatinosa de descarte mensal é a mesma que a recomendada para uma gelatinosa de troca anual?
Não. A higienização diária das lentes de troca anual exige mais cuidados. Além do produto multiuso, usado para limpeza, conservação e enxágue (fabricantes diversos) é necessário o uso de removedor proteico quinzenal, para evitar que o acúmulo de substâncias eliminadas pela lágrima e a ocorrência de irritações e processos alérgicos.

3. Para portadores de astigmatismos quais as lentes de contato mais indicadas?
São as rígidas, pois proporcionam uma melhor qualidade de visão, sobretudo para portadores de astigmatismos maiores que 2,5 graus. Estas lentes, também podem ser usadas por míopes e hipermetropes. Para alguns pacientes, tem o inconveniente de serem menos confortáveis, já que são registradas pela pálpebra durante o ato de piscar. Para quem tem astigmatismos menores do que 2,5 graus, existe a opção das gelatinosas tóricas. Já as lentes gelatinosas comuns, mais conhecidas, não proporcionam uma boa qualidade de visão nos astigmatismos acima de 1,0 grau.

4. E para os portadores de Ceratocone, qual o tipo mais indicado de lentes?
Existem diversas opções que o médico irá escolher de acordo com o tipo do cone, a localização do mesmo e a severidade do caso. É importante comentar que as lentes não irão tratar o problema e sim oferecer uma boa qualidade de visão para estes pacientes que não enxergam bem com os óculos. Esta foi uma área da oftalmologia que sofreu um grande avanço, com o desenvolvimento de lentes rígidas de materiais especiais (mais permeáveis ao oxigênio) e das lentes com desenhos diferenciados, chamadas lentes de dupla curva, ou até mesmo de múltiplas curvas. Este tipo de lentes é muito conveniente para pacientes com ceratocones mais avançados por se acomodarem melhor ao cone e deste modo se adaptarem melhor à córnea.

5. E as lentes gelatinosas para portadores de ceratocone, funcionam bem?
Não, elas não são capazes de proporcionar ao usuário uma boa visão. É importante compreender que nos portadores de ceratocone a principal característica é a irregularidade corneana, que causa as distorções visuais que impedem uma boa visão com óculos. As lentes rígidas imitam uma “nova córnea” regular e simétrica e é por este motivo que os pacientes com ceratocone atingem um ótimo patamar visual com elas.

6. É seguro utilizar as lentes coloridas com o grau que utilizo o dia inteiro?
As lentes coloridas são pintadas e portanto, permitem uma menor oxigenação da córnea. Elas podem ser utilizadas com grau, desde que seja de forma eventual, como por exemplo, para participação de eventos, ou durante algumas horas por dia. Entretanto, não recomendo o uso contínuo de lentes coloridas.

7. Existem riscos de prolongar a “vida útil” das lentes de contato descartáveis, estendendo por exemplo, de um para dois meses?
Não é recomendável, pois a incidência de complicações como irritações oculares, alergias oculares e até mesmo processos infecciosos podem ser maiores.

8. É possível utilizar com segurança as lentes para mergulhar no mar ou na piscina?
Não é aconselhável, porque além do maior risco de perda das lentes- principalmente as rígidas- há também chance de contaminação por diversos agentes como por exemplo a acantamoeba, germe de difícil tratamento e que é encontrado com frequência em águas de pia, piscina e mar, causando um processo infecioso severo, que frequentemente impõe o transplante de córnea.

9. O desenvolvimento de intolerância às lentes de contato irá ocorrer após alguns anos, em todos os usuários?
Não. A intolerância às lentes gelatinosas é relativamente frequente após alguns anos de uso das mesmas e cursa com vermelhidão e sensação de corpo estranho pouco tempo após colocar as lentes. Existem usuários que tem uma maior propensão ao desenvolvimento do quadro, além do que, o uso abusivo, sem seguir as recomendações do médico que fez a adaptação e do fabricante, facilitam a instalação do quadro.

10. Uma vez surgindo os primeiros sintomas é obrigatório abandonar o uso das lentes, ou existe tratamento?
Em geral, o processo pode ser mantido sob controle com a suspensão do uso de lentes durante alguns dias e uso de colírios antialérgicos. Após o desaparecimento dos sintomas podemos trocar as lentes por lentes de outro material (rigídas se possível, ou gelatinosas descartáveis) e reduzir o número de horas de uso, mantendo o acompanhamento do usuário.

Como vimos são diversos os pontos que podem gerar dúvidas entre os usuários de lentes de contato. Caso você tenha você tenha alguma questão que não tenha sido abordada, nos envie a pergunta e teremos prazer em esclarecer.

         

tags , , , ,

quinta-feira, 03.11.2011

As idades do olho

Publicador por karine

Existem alguns cuidados fundamentais para investir na saúde ocular, voltados sobretudo para a prevenção. Mencionarei em seguida algumas destas medidas, já que prevenir é sempre muito mais simples, econômico e agradável do que tratar doenças e alterações da saúde em geral.

  • Recém Nascido: imprescindível a realização do teste do olhinho. É um exame simples e que pode permitir o diagnóstico de doenças graves, como tumores intraoculares, catarata etc.
  • Dos 2 aos 4 anos: exame para verificar se a criança tem visão normal em ambos os olhos (algo impossível de ser visto pelos pais), se tem estrabismo, se tem reflexos oculares normais, se tem nervo óptico normal. Caso seja encontrada alguma alteração, esta é a fase adequada para tratamento, porque as estruturas internas do olho ainda estão em formação, até os seis anos de idade.
  • Infância e adolescência: avaliação de alergias oculares, se o menor necessita de óculos, se tem miopia e/ou astigmatismo e outras alterações oculares.
  •  A partir dos 40/45 anos: verificação da visão de perto por ser a fase de início da vista cansada dos 40 – a presbiopia. Nesta idade, muitos acreditam que “dormiram com a visão normal e acordaram com dificuldades para perto” o que não corresponde à realidade. Trata-se de um processo gradual de redução da atividade do “músculo Ciliar”, que é a estrutura interna responsável pela focalização das imagens próximas. Para as pessoas com fatores de risco para glaucoma, como história familiar positiva, negros, diabéticos, míopes, esta é a idade que requer maior investigação, porque a incidência desta grave doença- mas que tem tratamento- aumenta muito neste momento.
  • A partir dos 55 anos: fase de redução da transparência da lente natural do olho, o cristalino. Desenvolve-se gradualmente nesta etapa a catarata, interferindo inicialmente na qualidade da visão, na alteração das cores das imagens e por fim na quantidade de visão percebida. Não existem medicamentos ou colírios capazes de evitar o desenvolvimento da catarata. Substituir os óculos por um grau mais forte também não leve a uma melhora visual. Nesta etapa, o bom entrosamento com o seu cirurgião oftalmológico irá norteá-lo sobre momento adequado para a cirurgia para retirada do cristalino opaco e substituição do mesmo por uma lente intraocular artificial. Hoje, com o grande avanço tecnológico do setor dispomos de lentes intraoculares para cada caso, sendo inclusive algumas delas capazes de substituir os óculos multifocais que você utiliza. Neste caso, o uso de óculos para leitura poderá ser eventual.
  • Após os 60 anos: fase importante com relação à estrutura mais interna e mais nobre da região central do olho: é a região macular. Aí existe a maior concentração de células retinianas, responsáveis pela visão de cores e de detalhes. Um percentual significativo de pessoas a partir dos 60 anos irá sofrem de Degeneração Macular Relacionada à idade, em maior ou menor grau. Existem condutas da vida diária que podem diminuir a chance de desenvolvimento desta doença, tais como alimentação à base de folhas verdes, como couve, brócolis e peixes ricos em ômega 3(como atum, salmão, sardinhas) bem como uso de suplementação vitamínica adequada, rica em luteína, para proteção da área macular. Além disso, evitar a exposição solar direta, através de uso de óculos escuros, com filtro UVA e UVB também auxiliam na prevenção. Existem tratamentos direcionados para o controle de alguns tipos da Degeneração Macular, daí a importância de além de fazer a prevenção, manter-se em dia com a sua avaliação oftalmológica anual.

Boa sorte e cuide bem dos seus Olhos pois eles são a janela da sua alma.

tags ,

quarta-feira, 26.10.2011

Catarata, sintomas e tratamento por Dra. Mônica Freitas

Publicador por karine

A catarata é o envelhecimento da lente que temos internamente no olho, denominada cristalino. É um processo degenerativo que irá acometer a todos, tendo início após os 55 anos, sendo que os primeiros sintomas começam a ser percebidos a partir dos 60 anos aproximadamente. Sempre observo a surpresa dos meus pacientes quando os informo que tem catarata, como se esta condição fosse uma doença ocular que fosse preservar a alguns e acometer a outros. Para tornar o entendimento mais fácil, estabeleço uma associação do surgimento da catarata com o surgimento dos demais sinais típicos do envelhecimento humano, como flacidez da pele, rugas de expressão, de cabelos brancos e de outros sinais presentes na senilidade.

Os sintomas são progressivos e podem variar, de acordo com a localização da opacidade dentro do cristalino e incluem: perda gradual e progressiva da nitidez das imagens, aumento da sensibilidade à luz, turvação da visão, alteração da percepção das cores dos objetos, mudança frequente do grau dos óculos (pode aumentar, ou diminuir), em alguns casos, visão dupla e por fim a redução quantitativa da visão. O tratamento será sempre cirúrgico e em virtude de técnicas atualmente usadas serem menos traumáticas e oferecerem maior proteção às estruturas intraoculares, atualmente não esperamos o avanço do processo para indicar o tratamento cirúrgico. A cirurgia pode ser realizada com anestesia local, através da facoemulsificação, que corresponde à . microfragmentação do cristalino e aspiração do mesmo, já liquefeito, deixando o espaço antes ocupado pela lente natural agora livre para receber o implante de uma nova lente, chamada lente intraocular.
Já as lentes intraoculares, tamanha a multiplicidade de tipos e diferenças, ocupam atualmente um capítulo a parte da oftalmologia cirúrgica. O mais importante é esclarecer ao paciente que elas visam restabelecer a óptica do olho a ser operado, ou seja:
Caso ele deseje, além da cirurgia da catarata (ou retirada do cristalino) pode ser feito o tratamento da refração do seu olho, através da decisão de optar por uma lente intraocular que substitua além do grau do cristalino, também o grau dos óculos que utiliza, tanto para longe quanto para atividades de perto. Em outras palavras, idealmente a lente deve ser “personalizada”, ou seja, específica para cada paciente, para que ele não dependa mais de óculos para ver bem. Vale comentar, que apesar de toda esta tecnologia e sofisticação em prol da melhor visão pós operatória, em alguns casos ainda é necessário prescrever um grau complementar para leitura, ou complementar o resultado refrativo através da fotoablação a laser. Alguns exemplos de lentes intraoculares já disponíveis no Brasil: as lentes multifocais para pessoas que gostariam de não depender mais dos óculos para longe e nem para perto, as lentes tóricas, para aqueles que tem astigmatismos elevados, as lentes asféricas para uma melhor qualidade de visão noturna, as lentes com filtro, para proteção das estruturas da retina, dentre diversas outras.

tags , , ,

terça-feira, 25.10.2011

Cuidado com os olhos da criança

Publicador por karine

A melhor forma de proteger a visão de seu filho é através de exames profissionais periódicos. Uma visão ruim pode interferir desfavoravelmente no comportamento social do seu filho, tornando-o mais tímido e isolado, alterar o seu rendimento escolar e interferir na sua auto-estima. O melhor momento para iniciar o cuidado com os olhos é logo após o nascimento, realizando o fundamental “teste do Olhinho”. Este teste irá através da visualização do reflexo pupilar e de outras medidas, permitir o diagnóstico de diversas doenças oculares. Após este momento, mantenha-se sempre de olho no comportamento da criança em busca de sinais que apontem para problemas visuais, como por exemplo, aproximar muito os objetos dos olhos ou se manter sempre com o pescoço torto, pois podem indicar uma miopia, ou mesmo um estrabismo. Outros sinais que são sugestivos de problemas oculares:

Esfregar os olhos excessivamente
Piscar excessivamente.
Fechar com frequência um dos olhos.
Apresentar protrusão de um ou ambos os olhos.
Ter irritações oculares freqüentes.
Apresentar lacrimejamento, pálpebras inchadas ou avermelhadas.

Ainda que não perceba qualquer alteração de comportamento relacionado à saúde dos olhos é importante avaliá-lo antes dos quatro anos de idade. Neste exame será medida a capacidade visual, pesquisado os reflexos oculares, se ambos os olhos estão saudáveis, se necessitam de óculos e avaliado o fundo de olho e nervo óptico. O exame também será direcionado à presença de estrabismo, ou desvio ocular, que às vezes é pequeno e pode passar despercebido mas ocasionar um défict de visão do olho desviado, inclusive impedindo o seu desenvolvimento visual integral, condição que deve ser tratada de imediato. Após esta etapa, o exame deve ser realizado – se possível anualmente. É importante observar que o desenvolvimento completo do sistema ocular, se completa por volta dos seis a sete anos de idade e até este momento é possível tratar as condições com maior êxito e facilidade, daí a importância da avaliação anual.
Outro ponto de grande importância para a manutenção da saúde ocular é a atenção às medidas preventivas de acidentes, grande ponto de freqüentes problemas. Leia algumas dicas:

Retire do alcance do seu filho os objetos pontiagudos, pois podem causar sérios acidentes. Além disso, certifique-se de que seu filho está sendo adequadamente supervisionado ao manusear objetos desse tipo.
Evite que o seu filho manuseie brinquedos como dardos, arco e flechas, bolinhas de chumbo e espingardas de pressão ou fogos de artifício.
É fundamental manter todos os produtos químicos – incluindo material de limpeza, tintas, pesticidas e colas – fora do alcance das crianças.
Mantenha produtos químicos em geral, colírios e outros medicamentos fora do alcance da criança, pois a curiosidade tão característica delas pode ocasionar graves acidentes com os olhos, como a instilação de colas, produtos de limpeza e de outras substâncias lesivas para os olhos.
A prevenção é quase sempre a solução, mas em caso de acidentes, lave a região abundantemente com água corrente e dirija-se para o serviço de oftalmologia mais próximo do local onde se encontra.

tags , ,

sábado, 20.08.2011

Protegendo os seus olhos durante a corrida

Publicador por Vitor Gois

Assim como a nossa pele, os olhos requerem alguns cuidados durante a prática de esportes ao ar livre, tais como a corrida ou a caminhada. A exposição direta ao sol pode causar o ressecamento dos olhos, situação que será percebida como a sensação da presença de areia ao piscarmos. Além disso, a exposição direta e freqüente pode atuar de forma cumulativa sobre a lente natural do olho – o cristalino – contribuindo para o aparecimento precoce da catarata e até mesmo de doenças maculares.

“O olho é uma estrutura extremamente delicada e sensível, daí ser fundamental a proteção aos mesmos se corremos em ambientes externos, seja em clima ensolarado, ou até mesmo na neve, devido à radiação que, nestas situações, é capaz de atingi-los e prejudicá-los. Como prevenção, recomendamos o uso constante de óculos capazes de fornecer proteção contra radiação UVA e UVB e todos os demais métodos que funcionem como filtro à radiação, tais como viseira ou outro tipo de chapéu com abas, principalmente os que são confeccionados com tecidos que fornecem proteção contra raios solares. Além de funcionarem como filtro, os óculos também agem como anteparo mecânico, evitando a possível queda de corpos estranhos vinda através do ar, tais como um grau de areia, uma cinza de cigarro ou outro poluente. Afinal, como parte do grupo de fãs da corrida, sei que correr traz um grande bem estar e nos protege contra doenças diversas, mas correremos mais felizes e melhor se nos protegermos contra possíveis problemas nos órgãos que nos permitem apreciar o colorido da vida. Cuide com carinho deles! “

tags , , ,

segunda-feira, 15.08.2011

1º Circuito de Corridas das Farmácias Pague Menos

Publicador por Vitor Gois

Dra. Monica Freitas participou neste domingo, dia 01/08, do 1º Circuito de Corridas da Farmácias Pague Menos, realizada na Orla de Salvador, percorrendo uma distância de 8 Km.
A largada ocorreu às 7 hs, no Jardim dos Namorados, na Pituba e seguiu em direção ao Rio Vermelho,pela Manoel Dias, retornando no Posto Chaminé, ao lado da Mc Donald´s, até o ponto de partida pela Avenida Otávio Mangabeira

tags

  1. Flickr
  2. Orkut
  3. Youtube

Site Drª Mônica Freitas 2011 | Av Tancredo Neves - n°620, Mundo Plaza 32° andar - Caminho das Árvores, Salvador - BA, 41820-020 (71) 3330-6100